Tendências dos segmentos turísticos no Brasil e no mundo

  


O Turismo Ecológico é uma das maiores tendências dos segmentos turísticos no Brasil e no mundo. O turismo realizado em ambientes naturais é apontado como um dos modos de exploração mais aconselhável destas áreas, onde, quando bem feito, possui a capacidade de unir conservação e utilização sustentável da biodiversidade para geração de opções econômicas para as populações.

O Brasil é apontado como um dos países com mais alternativas de prática do ecoturismo por causa da elevada diversidade de ambientes e de seres vivos que estão presentes no território brasileiro.

Os parques nacionais, como exemplo, são unidades de conservação ambiental que possibilitam elevada ligação entre o visitante e a natureza. Desta forma, está presente um ótimo lugar para a prática do ecoturismo.

Veja também:  Ecoturismo em Bonito MS

O turismo ecológico é sustentável devido ter como base o tripé economia/meio ambiente/sociedade. Considerando a parte econômica, estão presentes a geração de empregos, valorização imobiliária, geração de oportunidades de mercado.

Na parte social, o turismo ecológico possibilita o aprimoramento da infraestrutura viária, de abastecimento e de equipamento médicos e sanitários, como também as possibilidades de emprego e expansão do conhecimento.




Na parte ambiental, existe mais investimento em conservação e recuperação do meio ambiente, aprimoramento nos equipamentos de proteção e monitoramento ambiental e, sobretudo, conscientização mais elevada da população local e externa à respeito da necessidade da preservação do meio ambiente para a permanência dos biomas naturais.

Já para o turista, os principais benefícios estão com base na elevação da proximidade com o ambiente natural e com as possibilidades de visualização de paisagens e contato com animais e espécies que, de forma comum, não estão presentes no cotidiano.

Veja também:  Dinamarca - Turismo ecológico

O turismo ecológico precisa sempre possuir como base a valorização ambiental e cultural, do lado gestor do patrimônio e também do turista, que precisa recordar-se de não interferir no ritmo comum do local visitado e de expandir a mensagem ambiental relatada na visita.

Por Felipe Couto de Oliveira

Foto: divulgação/Pixabay






Quer deixar um comentário?

Seu e-mail não será publicado. Campos obrigatórios estão marcados *