Budapeste é conhecida como Rainha do Danúbio. Ela é rica em cultura, arquitetura e culinária. A cidade possui um bom sistema de transporte público e o turista não precisa se preocupar se não fala húngaro pois, mesmo sem falar a língua local é possível se orientar.

Um dos prédios mais famosos da cidade que não pode deixar de ser visitado é o Parlamento Húngaro, construído em estilo gótico e que pode ser visto por dentro com guias turísticos.

Além disso, há o “Castle district” (bairro do castelo) que  deve ser visitado pois, lá é possível ver muitas casas ainda da época medieval, além de se ter uma bela vista da cidade. Também é possível passear de barco pelo rio Danúbio.

Um ótimo local para fazer compras é o Mercado Central onde se encontram coisas típicas para levar de lembrança. A moeda do país é o Florin Húngaro. Para chegar lá saem aviões de todas as capitais européias para Budapeste. Outro modo é vir de trem por Viena (capital da Áustria). A primavera é a melhor época, pelas suas temperaturas amenas.

Enfim, vale a pena visitar essa bela cidade que é conhecida como a Paris do Oriente.

Por Karin Földes


Budapeste, capital da Hungria, é uma delícia de se conhecer. Mas entre as tantas atrações turísticas, uma em especial que talvez passasse batida se destaca. A estátua do escritor anônimo. É uma obra de Miklós Ligeti, conhecido apenas na Hungria. A estátua é forjada em Bronze e representa um escritor envolto por um capuz, cuja face não aparece e tem seus contornos meramente delineados sem ao menos serem definidos.

É uma homenagem aos tantos escritores que fornecem obras de valor incalculável para a arte, mas que mantém-se, feliz ou infelizmente, com autoria desconhecidas.

A obra inspirou Chico Buarque e seu maravilhoso livro Budapeste, cujo personagem principal era…um escritor fantasma.

Por Teresa Almeida


Capital da Hungria, localizada as margens do Rio Danúbio, Budapeste é mais do que uma opção de turismo é um mergulho na cultura e na historia.

Sedutora e deslumbrante Budapeste, com suas exuberantes pontes, museus, palácios, impressiona por seus traços, é uma harmonica mistura do clássico, da aristocracia majestosa, da musicalidade poética e folclórica.

Ha muitas opções para visitação de Museus, os visitantes podem eleger entre os temas: ferrovias, armas, telefonia, bandeiras, selos, borboletas, bonecas, aviões antigos, roupas dos tempos imperiais, História Natural,  Arte e Cultura, Holocausto, Tecnologia e muitos outros.

Também a Ópera Nacional, a Praça dos Heróis, o maior Parlamento do mundo, a maravilhosa Ponte das Correntes (Széchenyi), a Basílica de Santo Estevão, Coluna do Milênio, os Cassinos e o Mercado Central que é um paraíso de frutas, legumes, verduras, condimentos e muito do artesanato húngaro.

Para finalizar um passeio no funicular, cuja estação Budavari Siklo é construída em cristais e ferro e um café na centenária Confeitaria Gerbeaud.

Por Silvane Romero


Até 1873, a cidade era dividida em duas partes, Buda e Peste, separadas pelo lindo rio Danúbio, porém foram unificadas e hoje é um dos destinos mais procurados por turistas de todo o mundo.

Que a beleza do rio já vale a viagem, isso é fato. Porém a cidade tem muitas outras atrações, como por exemplo, o Castelo de Buda, que fica do lado oeste da cidade, já do outro lado, onde antigamente era a cidade de Peste, o melhor para aproveitar é a vida noturna, muito badalada e com muita gente bonita.

Os dois lados têm em comum, os diversos bares, cafés de gosto só de ver, lojas e muito que olhar e comprar. Além disso, a cidade tem cara de Paris e é muito charmosa, ideal para casais em lua de mel.

A culinária é ótima, os banhos termais também e se der sorte, pode estar lá durante o Budapest Spring Festival , maior festival de cultura e música da cidade. Vale à pena conhecer!

Por Susan Mélany





CONTINUE NAVEGANDO: