O que é Turismo Gastronômico?



De acordo com a Organização Mundial do Turismo, o terceiro maior incentivador de viagens é a gastronomia, ou seja, as pessoas decidem e escolhem seus destinos, considerando a culinária como fator importante.

Para muitas pessoas, as recordações de viagem que mais ficam registradas na memória são as experiências culinárias. As comidas típicas experimentadas e o modo como determinados povos preparam seus alimentos, tornam a viagem ainda mais especial.

Sendo o 5° país do mundo em território e dividido em regiões que abrigam culturas diversas, o Brasil possui uma rica gastronomia, o que tem levado muitas pessoas a viajarem para conhecer a história e a cultura por meio da culinária.



Com o crescimento do setor, os diversos programas culinários e de viagens, que dão destaque à alimentação, houve também uma maior procura pelo turismo gastronômico que conseguiu movimentar em 2018, 250 bilhões de reais no Brasil.

Acompanhe o artigo e entenda mais sobre o desenvolvimento do turismo gastronômico brasileiro.



Crescimento do turismo gastronômico

De acordo com a Organização Mundial do Turismo, o terceiro maior incentivador de viagens é a gastronomia, ou seja, as pessoas decidem e escolhem seus destinos, considerando a culinária como fator importante.

Seja aquela famosa comida caseira preparada com receitas simples ou assinada por chefs reconhecidos, o mais importante nesse segmento turístico é a experiência que a gastronomia proporciona ao turista.

Através da imersão na cultura por meio das iguarias produzidas em determinada localidade é possível aprender a respeito de conhecimentos transmitidos entre gerações. Compreendendo assim os processos históricos pelos quais a comunidade passou ao longo dos anos.

Como está organizado o turismo culinário

Alguns lugares começaram a apostar na culinária como seu principal atrativo e o setor de turismo passou a dar maior destaque a gastronomia, outros, naturalmente possuem a gastronomia como um dos principais chamativos, compondo a história e a identidade local, como Salvador, por exemplo, cuja alimentação tem forte influência africana.

Leia também:  Pacotes Promocionais para o Rio de Janeiro - CVC

As rotas culinárias também ajudam os turistas que querem fazer essa imersão na cultura a partir da gastronomia.

Vamos conhecer algumas:

Ilhéus – BA: Rota do chocolate

A Estrada do Chocolate com a extensão de 40 km em Ilhéus, pode ser feita de carro.

A rota do Chocolate é dividida em Caminho do Cacau I e Caminho do Cacau II. No primeiro, é possível curtir as atrações naturais das cidades de Itacaré, Una, Uruçuca e Canavieiras, com passeio pelo Rio Pardo e banho de cachoeira. Para quem quer conhecer os povos originários, existem comunidades indígenas que recebem visitantes. O Caminho II oferece uma imersão completa no universo cacaueiro. Nas fazendas o visitante poderá acompanhar colheita, observar como as fábricas produzem e muito mais. É uma verdadeira viagem ao passado, através da produção do chocolate.

Serra Negra – SP: Rota do café:

Na rota do café é possível conferir fazendas, adegas, museus, ranchos, restaurantes, tudo num ambiente que preserva a história desde 1880.

Serra da Canastra – MG: Rota do Queijo

No Parque Nacional da Serra da Canastra, localizado no sudoeste do estado de Minas Gerais, é possível encontrar os queijos que conferem a identidade culinária dessa região: o queijo canastra. Encorpado e com sabor único a fabricação do canastra é facilitado pelo clima e altitude do local. Nessa rota, o visitante pode visitar fábricas e degustar os queijos produzidos por lá. A cidade mais visitada nessa região é o município São Roque de Minas.

Vitória – ES: Rota da moqueca

Embora essa iguaria seja conhecida em outros lugares do país com um preparo diferente, como em Salvador, onde a receita é com azeite de dendê, os capixabas afirmam ter a moqueca original, ou como se diz por lá: “moqueca apenas capixaba o resto é peixada”. A moqueca é preparada com frutos do mar e é o orgulho culinário do local.

Leia também:  Turismo São Paulo - Dicas de Restaurantes

Bento Gonçalves – RS: Rotas das Cantinas Históricas.

A Serra Gaúcha é referência quando o assunto é a produção de vinhos, pois é nessa região que estão os maiores produtores e os mais renomados do país. Outra característica que marca o lugar são as cantinas, uma herança dos imigrantes italianos. É possível degustar produtos como biscoitos, queijos, salames e claro, deliciosas massas. Podendo harmonizar todas essas delícias com os vinhos maravilhosos produzidos no local.

Por Fabíola de Moraes

Turismo Gastronômico

Próximo Post

Não há mais posts

Outros Conteúdos Interessantes

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *