Crianças dificilmente ficam atraídas pela China. O país que vende o maior número de celulares do mundo por dia será um grande passeio para adultos, mas pode ser chato para as crianças. Se estiver por lá, reserve um dia em seu roteiro para levar os acompanhantes ao Magic Bean House Children’s Museum, ou Museu das Crianças Casa do Feijão Mágico, em Pequim.

O local irá proporcionar um mergulho na cultura oriental. Há oficinas culturais com aulas de artesanato como: fazer colares típicos chineses, pintura de objetos em louça, escultura, entre outras.

A grande atração do museu fica com o conto do feijão mágico, uma história típica chinesa que é contada para as crianças com dramatização para que eles conheçam um pouco mais da cultura da região. Os pequenos irão ainda conhecer músicas da região com professores que irão ensaiar uns passos e usar roupas locais, como os famosos kimonos.

Por Lidianne Andrade


Este roteiro abrangerá o melhor dos dois países: a cultura, a tradição e a história e também o lado moderno e vibrante das suas capitais: Tóquio e Pequim. Lançado oportunamente neste período para aproveitar a florada das cerejeiras, no Japão, os visitantes terão uma oportunidade única de ver as árvores floridas em uma festa chamada Hanami, o ritual de apreciar as flores sob a sombra das árvores fazendo um piquenique com a família e os amigos.

Aproveite um dia livre para fazer como os japoneses. Dirija-se até um dos parques e faça um piquenique na sombra das cerejeiras em flor, que em japonês chama-se sakura.  As árvores floridas são um verdadeiro espetáculo.

A viagem começa por Tóquio, com um passeio ao santuário xintoísta Meiji, que o imperador Meiji dedicou à sua esposa, localizado dentro de um parque. O próximo destino é o Palácio Imperial, com detalhes arquitetônicos delicados e seus bem cuidados jardins e lago de carpas. Em seguida, visita a um dos templos mais antigos e belos da cidade, Asakusa Kannon, que impressiona pela sua suntuosidade e pelo enorme portal e lanterna japonesa.

No dia seguinte, visita ao parque nacional Hakone, com nascentes de águas quentes, lindas paisagens e montanhas a menos de 100 km de Tóquio. Aqui mesmo os visitantes terão a oportunidade de fazer um mini cruzeiro pelo Lago Ashi, e apreciar o cartão-postal mais famoso do Japão: o Monte Fuji. Depois embarque no teleférico, que, em dias claros, é possível contemplar a linda vista e observar áreas de onde sai enxofre.

O próximo destino é Kioto, a antiga capital do Japão que ainda guarda traços do passado. Passear por suas ruas e visitar seus templos é uma viagem ao passado remoto dos templos milenares, dos samurais e das gueixas. O dia começa com uma visita ao castelo Nijo, construído em 1603 sob encomenda do xogum Ieasu Tokugawa, o castelo abriga obras de arte foi restaurado recentemente. Depois, segue-se para o templo xintoísta Heian Jingu, cujo portal (tori) é um dos maiores do Japão e a arquitetura imita o Palácio Imperial de Kioto. A próxima parada é o Kinkakuji (templo do pavilhão dourado), que impressiona pela sua beleza e imponência. Folheado a ouro e às margens de um lago, foi reconstruído em 1955, depois de ter sido incendiado.

China Imperial

Finalizado o roteiro nipônico, o próximo destino é a China, começando por sua fascinante capital, Pequim. Segundo a Organização Mundial de Turismo, o país se tornou em 2010 o terceiro destino mundial mais procurado pelos turistas, desbancando a Espanha. Atrações não faltam no país que tem quase 10 milhões de km quadrados. A visita começa pelo antigo Palácio Imperial e a Cidade Proibida, a atração mais visitada da China. Com 900 metros de largura e 750 metros de extensão e 8700 cômodos, a edificação impressiona, assim como sua coleção de arte e antiguidades. A visita segue para a Praça Tian Na Men, um das maiores do mundo com 440 mil m2, onde se realizam cerimônias oficiais do governo. A próxima parada é o Palácio de Verão, que fica junto ao Lago Kuantan rodeada por jardins. Seu valor histórico e beleza foi reconhecido pela Unesco, que a incluiu na sua lista do Patrimônio Mundial.

No dia seguinte, passeio a uma das sete maravilhas do mundo moderno: a Grande Muralha. Em seguida, visita às tumbas dos 13 imperadores da dinastia Ming, cheias de móveis de objetos de ouro. Construído em 1420, a próxima parada é o Templo do Céu, onde os imperadores ofereciam sacrifícios aos céus, que abriga vários palácios e templos. No mesmo dia, embarque com destino a Xian, considerada o berço da rota da seda, é uma cidade arqueológica com cerca de 30 mil anos, que já foi capital de 11 dinastias. Sua maior riqueza são os o túmulo do imperador Qin e seu exército de guerreiros e cavalos em tamanho natural de terracota. Em seguida, visita que percorre os 14 km da muralha da cidade e passagem para o Grande Pagode de Ganso Selvagem. Construído em 652, sua torre de madeira tem 64 metros de altura e oferece uma bela vista da cidade.

O próximo destino é a cidade Xangai, um importante de centro de negócios e maior cidade da China, com 16 milhões de habitantes. Aqui se segue para conhecer o encantador Jardim Yuyu yan, com lagos e um bem cuidado jardim típico e centro de compras,  segue para o Dique da Cidade e, por último, o Templo do Buda de Jade, um santuário do budismo suntuoso que abriga uma estátua de 1,70 construída em um bloco de jade.

Última parada: Hong Kong

Uma cidade cheia de contrastes onde a tradição milenar taoísta se encontra com a influência ocidental, resquícios da colonização inglesa, que combina a sociedade moderna e consumista. Assim em Hong Kong, a última parada do programa. O passeio começa pelo cais dos pescadores de Aberdeen, muito conhecida por seus magníficos restaurantes flutuantes, que outrora era uma pacata vila; depois segue para baía de Repulse, onde está situada uma das praias mais frequentadas da cidade e o Pico Victoria, convertido na zona residencial nobre da Ilha e de onde se tem uma vista impressionante de 360º de quase todo o território, divisando-se ao longe as ilhas do Mar do Sul da China.

Nome do roteiro: Japão das Cerejeiras e China Imperial

Duração: 18 dias/ 16 noites

Saída: 28 de março de 2011

Visitando: Tóquio, Hakone, Kioto, Osaka, Pequim, Xian, Xangai e Hong Kong.

Preço: a partir de US$ 5.729 por pessoa parte terrestre, com hospedagem em apto. duplo com café da manhã e US$ 1.936 dólares passagens aéreas sem taxas de embarque

O que está incluído: passagem aérea nos trechos São Paulo / Chicago / Narita // Osaka / Pequim / Hong Kong/ São Paulo; hospedagem com café da manhã;

passeios em Tóquio, Kyoto, Pequim, Xian, Xangai e Hong Kong visitando pontos turísticos com guias; traslados, trem rápido nos trechos Hakone / Kyoto segunda classe; passagem aérea Pequim / Xian / Xangai / Hong Kong; 3 almoços em Pequim, 1 jantar em Pequim e 1 almoço em Xian; cartão de assistência de viagem ; acompanhamento de guia brasileiro desde São Paulo durante todo o período da viagem para um grupo mínimo de 15 adultos pagantes;  Kit Raidho.

Reserva: Raidho Tour Operator, tel. (11) 3383-1200, www.raidho.com.br

Validade: de 27 de março a 14 de abril de 2011.


Conhecida também como Wan Li Chang Cheng e originalmente construída para afastar estrangeiros, a Grande Muralha da China atualmente atrai milhares de turistas que buscam conhecer o monumento que demorou cerca de 2.000 anos para ser concluído.

Com 6.000 km de extensão, esse monumento que dizem  que pode ser visto da Lua, contou com o trabalho de cerca de 1.000.000 de pessoas, dentre eles prisioneiros, soldados e camponeses.

Atualmente, o local mal consegue alocar a imensidão de visitantes e vendedores ambulantes. O melhor horário para visitar o monumento é no final da tarde, quando grande parte dos turistas já foram embora.

O trecho que mais atrai visitantes é um trecho restaurado que fica em Badaling e tem 1,6 km de extensão. Hoje somente um terço da construção original ainda permanece erguida.

Por Michelle Dantas


A rede Starwood Hotels & Resorts comemorou com o lançamento do hotel na China, seu hotel de número mil. O Sheraton Qiandao Lake Resort é um marco da empresa na liderança do ramo de hotéis ao redor do mundo, segundo o presidente da Starwood, que ficou satisfeito com o hotel no país asiático. Para ele, “parece que a Sheraton é uma marca pré-destinada na China”.

De acordo com a empresa, há previsão ainda de construção de até 100 hotéis esse ano, mais da metade fora dos Estados Unidos, sendo a maioria na Ásia. Na China, atém desse, serão construídos mais 20, e na Índia onde a Starwood tem 26 hotéis, o planejamento é aumentar mais 60% até o 2012.

Fonte: Jornal de Turismo

Por Fabrício Fuzimoto


O território de Hong Kong não é apenas o corre-corre de pessoas e o emaranhado de prédios que se vê pela televisão. Hong Kong, que pertence à China, possui belezas incríveis, muitas delas desconhecidas aos turistas.

O território movimentado e pequeno, espremido numa área de 1.104,27 km², tem uma filial da Disneylândia. O Parque, que tem até um castelo da Bela Adormecida, fica na ilha de Lantau, e uma das principais atrações do lugar.

A natureza tem espaço garantido em Hong Kong. O território futurista é também palco de matas nativas, reservas ecológicas, ruas arborizadas, zoológicos e muitas praias desertas.

Por Rosana Radke





CONTINUE NAVEGANDO: